Estás despid@ e tudo em ti é sabor, contemplas e aprecias a vida e o seu valor em todas as suas nuances e cores. Nada é ordinário, tudo é repleto de pequenos extras e saboreias mais do que catalogas.
Um dia vestes a capa do juiz e munido de espada e balança dás inicio à tua cegueira pela vida.
Sentes vergonha da tua nudez e o que era bom passa a ser separado em certo e errado. Perdes a pureza, cais do paraíso, ou como dizem nas tradições antigas, inicias a separação original (pecado, do latim “pecare” separar).
Aquele que saboreia, o ser do bem querer, encarna o personagem do juiz, do querer, ter razão. O inocente torna-se o pecador e a vontade de ser é camuflada pelos desejos de ter.
Determinas o teu sucesso pela comparação e como tal nenhuma verdadeira felicidade poderás manter, receberás a contínua insatisfação. Toda a tua vida irá desenrolar-se por meio de contrariedades. A pressão constante da competição e da luta, da comparação e do julgamento brindará o teu caminho em dificuldades.
Avalias o valor de algo pelo seu custo, avalias o mérito em função do esforço, o talento pela dificuldade, a superioridade pelo sacrifício. Criticas o bom e o mau, comparas o que é melhor e pior, julgas o que tem mérito e o que é vulgar e desta forma todas as bênçãos te escapam. Ao que te é dado desconfias pois não fizeste nada para merecer e lutas então para obter pelo suor, pois só assim consegues reconhecer o valor.
Perante a rosa focas o espinho, perante o céu focas a nuvem, a galinha da vizinha é sempre melhor que a tua e o teu telemóvel é sempre mais fraquinho.
Foste ensinad@ assim desde cedo por meio de testes e notas. Vinte de muito bom e cinco de burro. A Joana é melhor que tu mas tu és melhor que o Pedro.
Liberta-te da comparação constante, para que possas apreciar o simples, dar mérito ao natural, ser feliz com o que não tem custo e fluir pela vida.
Reeduca-te para deixares de comparar constantemente… porque cansa !
Deixa de julgar e achar… descobre e aprecia !
Diminui o planear e controlar… sê surpreendid@ e volta a brincar.
Poderás assim não viver tão fudid@, tão ansios@ pelo presente que não chega. Apreciar o dia mesmo com aquela nuvem no céu, porque no fim de contas a nuvem está exactamente onde tem de estar no momento certo, para ser apreciada por aquele que sabe dar valor, sem esforço, simplesmente saboreando.

2017-11-29T23:38:09+00:00

Comente com gosto

%d bloggers like this: