Alimentação

Ao ouvir o termo Macrobiótica, é costume reduzi-la à vertente da alimentação. Não é de admirar, no fim de contas, somos peritos em reducionismos e em colocar tudo no mesmo saco. Em algumas terras, salsa é igual a coentros. Uma clementina é igual a uma laranja. Ayurveda é uma massagem. Medicina Tradicional Chinesa significa agulhas ou acupunctura. Concordar é um sinónimo de aceitar. Perdoar é sinónimo de esquecer. O vinho tinto é apenas diferenciado pelo preço. E para a maioria dos não-portugueses o café em Portugal, sabe todo ao mesmo.

Acredito que a sabedoria é o paradoxo da diferenciação integrada. Mas adiante… hoje falaremos da Alimentação na Macrobiótica.

Comecemos por descrever um raciocínio comum :
Alimentação na Macrobiótica = Alimentação Macrobiótica = Macrobiótica

Segue-se a pergunta de algibeira : O que é Macrobiótica ?

Se respondeste “Alimentação”, alegra-te, pois encontras-te na vasta maioria da população que partilha uma compreensão errada sobre este sistema. Este equívoco é tão comum, que é possível que venha a tornar-se a norma, passando a ser considerado correcto. O futuro o dirá.

Se o equívoco acima pouca gravidade traz, outros equívocos carregam consequências mais graves na saúde e bem-estar geral. Ao longo dos anos, tenho vindo a observar centenas de questões e confusões sobre a alimentação na macrobiótica. Seguindo a minha perspectiva e experiência, compilei os seguintes :

Princípios Orientadores da Alimentação na Macrobiótica

1. A qualidade de um ingrediente é mais substancial do que ingrediente em si
Exemplos : Um pão integral biológico pode ser benéfico e nutritivo, um pão branco como o Panrico é uma piada. O glúten biológico no seitan é tranquilo, o glúten presente na maioria das farinhas pode provocar disfunções e intolerâncias. Sal marinho na quantidade certa é essencial, sal refinado é um perigo. Um molho de soja biológico tem cerca de 4 ingredientes, um molho de soja do pingo doce ou no chinês contém vários aditivos malignos. A soja seca ou granulada arrebenta com o intestino, a soja na forma de tofu é tranquilo.

2. O cereal representa o principal num prato
Exemplos : Tendo de escolher entre um prato de arroz ou um bife/tofu/peixe/etc. na macrobiótica escolhemos o de arroz Tens um prato de esparguete acompanhado com almôndegas. Se só podes escolher um, é preferível comer o esparguete. Tens um pão de centeio ou sardinhas. Come o pão de centeio.

3. As características de um individuo interferem
Exemplos : O leite de soja, o tofu, o frango, pode ser particularmente bom para as mulheres por aumentar os estrogénios e particularmente mau para os homens se ingerido com exagero.

4. O que é local tende a ser ajustado ao local 
Exemplos : No Peru o povo mastiga folhas de coca para os ajudar a superar a altitude.
Os nómadas do deserto bebem chá quente de hortelã para os ajudar a suportar o calor.
O português come tremoço ajudando-o a regular o baço.
Os mongóis comem uma manteiga cheia de gordura para os alinhar a suportar o frio extremo

5. O que é sazonal tende a surgir na época certa
Exemplos : Em Dezembro vêm as laranjas para dar-nos a vitamina C quando mais precisamos. Em Maio vêem os morangos para acalmar o fígado na estação que mais o estimula. Em Agosto, é época de melancias e melões, que é quando mais precisamos de água.

6. A alimentação tem primazia sobre a nutrição
Exemplos : Toma um comprimido de vitamina C e será menos benéfico que comer uma laranja que contém menos vitamina C. Mastiga mal, comendo em exagero, uma refeição com muitos nutrientes e terás à saída uma merda cheia de nutrientes. Ingere vitamina D sem apanhar sol e observa. Ingere Vitamina E sem gorduras e o corpo não irá assimilar.
A falta ou excesso de vitaminas e nutrientes pode potenciar algumas doenças.
Ingerir vitaminas e nutrientes na quantidade certa, de forma desajustada, potenciará algumas doenças.
Um corpo físico de um ser humano tem como composição química 65% Oxigénio, 18% Carbono, 10% Hidrogénio, 8% dezenas de outros (Nitrogénio, Cálcio, Fósfor, Potássio, Enxofre, Sódio, Cloro, etc). E isto tudo constitui 100% da composição química do corpo físico de um ser humano. Dizer que um ser humano é igual a esta composição química, é no mínimo hilariante. No entanto, este tipo de reducionismo, é realizado numa série de assuntos. Tais como dizer que alimentação = nutrição. A composição química de um alimento é um das dimensões do alimento e a nutrição é uma dos dimensões da alimentação. É importante entender que, a alimentação tem primazia sobre a nutrição.

7. Melhor é melhor do que mais
Exemplos : Uma colher de arroz integral dá mais energia que sete colheres de arroz branco, contendo três vezes mais nutrientes distintos. Uma colher de geleia de arroz adoça uma sobremesa sem ser tão agressivo/venenoso como uma colher de açúcar branco. Um feijão bem mastigado é preferível que sete feijões engolidos.

8. O que faz bem numa altura poderá fazer mal noutra
Exemplos : Come um bacalhau com natas, bebe um sumo de laranja e vai dormir.Come um cheesecake e um gelado ao pequeno-almoço para rebentar com o baço, logo pela manhã. Bebe líquidos frios para empurrar a refeição e dilui o suco gástrico, dificultando a digestão. Bebe um café quando andas com insónias, ansioso ou com diarreias e observa. Come uma colher de açúcar, num exame de matemática de duas horas, para aumentares a tua energia durante 5 minutos, antes da mesma descer a pique e começares a sentir dispersão mental.

9. Pickles ou produtos fermentados de boa qualidade são essenciais
Quando falamos em pickles a maioria imagina aqueles frascos do continente com pickes em vinagre. Esqueçam esses, possivelmente farão ainda pior. O chucrute, por exemplo, é um exemplo de um bom pickle. Um pickle consiste num produto fermentado. Para tal basta dar-lhe uma pitada de sal, calor, uma pressão suave e algum tempo. O quefir, um iogurte também são exemplos, de produtos fermentados. O problema neste último, é o açúcar adicionado e o facto de ser feito de leite, tendo em conta a fraca qualidade do mesmo nos dias de hoje.

10. Um pouco de algas faz maravilhas
Na alimentação japonesa e noutras culturas os povos vão buscar alguns minerais e substâncias ao mar. As algas contêm propriedades milagrosas. Se forem ingeridas em pequenas quantidades podem realizar maravilhas. Possivelmente, tendo em conta a nossa ingestão de peixe e marisco, ou ervas do campo, se calhar vamos buscar propriedades semelhantes. Seja como for, podemos pensar nas algas, como os vegetais do mar, que ganham qualidades especiais pelo seu contacto.

11. Oleaginosas por favor
Nozes, amêndoas, caju, pinhões, sementes de girassol, sementes de linhaça, etc. São exemplos de oleaginosas e acredita-se que fazem maravilhas, se as incluirmos no dia-a-dia, com moderação. Convém ter alguns cuidados, pois em excesso, podem causar alguma dispersão e um pensamento meio frenético. Em inglês existe a expressão “to go nutts”. “Ficar nozes” que é o mesmo que dizer, ficar maluco. Para não desenvolvermos a “paranóia alerta” dos pardais, convém comer com moderação. Para além de óleos essenciais, substâncias da felicidade, muita vida, as sementes também ajudam a limpar o organismo.

12. Vegetais e leguminosas a gosto
Logo a seguir aos cereais, os vegetais assumem a maior dimensão, dentro da alimentação macrobiótica. Seguidos logo de seguida pelas leguminosas.

13. Frutas com moderação, sempre da época e em separado
A fruta acidifica imenso o corpo, em conjunto com o açúcar elevado pode causar alguma indisposição e sensação de enfartamento quando combinada com outros alimentos. Possui também bastantes vantagens e entre comer uma mousse de chocolate, um bolo ou uma pêra, pode-se dizer que a fruta é a opção saudável. Para além de limparem os intestinos, as vitaminas e minerais, fibras, etc. A fruta ajuda a equilibrar o corpo em cada época. De um modo geral, a ideia presente na macrobiótica, é de que se a alimentação for saudável, o papel da fruta torna-se secundário, existindo equilíbrios melhores. Comparativamente à alimentação desequilibrada que existe actualmente, a fruta assume o papel da melhor opção, em termos de acessibilidade, face às fracas escolhas existentes. Resumindo, a fruta é uma opção bastante saudável comparativamente ao estilo alimentar actual. Dentro da alimentação macrobiótica é considerada desejável, com muita moderação. Evitar misturas de frutas e comê-las separadamente. O comer a fruta é preferível a beber a fruta. Comer a fruta isoladamente de outros alimentos.

14. Os ingredientes não essenciais, podem ser excluídos ou ingeridos com moderação
Salvo excepções particulares, os ingredientes não essenciais são opcionais. Podem ser excluídos ou mantidos. Quando mantidos, aconselha-se moderação. Exemplos : o café é considerado um ingrediente não essencial para a saúde. Se ingerido, aconselha-se moderação. A moderação implica não só quantidade, como periodicidade. Beber dois ou três cafés por mês pode ser considerado algo moderado. Considera-se que carne, peixe, ovos, doces, cafés, chocolate, farinhas, cigarros, álcool, refrigerantes, laticínios, açúcar, etc. são ingredientes não essenciais. Pelo que é uma opção individual a ingestão destes ingredientes. Aconselha-se, moderação.

15. Qualquer substância ingerida afecta o organismo, em todas as dimensões
Se disser que o álcool afecta-nos o estado físico, emocional e psicológico é facilmente aceite, porque é claramente evidente e imediato o efeito. Se disser que também afecta o tipo de álcool, a regularidade, a quantidade ou qualidade, também é mais ou menos evidente. O mesmo é válido para toda e qualquer substância que ingerimos, mesmo que ocorra de uma forma mais subtil e mesmo que demore mais tempo a visualizar-se o efeito. Exemplos : As sementes tornam-nos mais faladores, o tofu torna-nos mais femininos, o álcool e os doces ajudam-nos a esquecer ao mesmo tempo que oferecem conforto emocional. A ingestão continuada do café, gera ligeiras olheiras como sinal do desgaste nos rins e uma fadiga geral, a longo prazo.

16. Qualquer substância ingerida tem efeitos terapêuticos, bons e maus
Exemplos : O alho é antibiótico e anti-inflamatório. O azeite é antioxidante. Os frutos vermelhos e citrinos são anti-histamínicos. O miso e outros fermentados repõem a flora intestinal. A água ingerida em excesso causa desmineralização e desgaste dos rins, a laranja há noite fica estagnada demasiadas horas no organismo. Uma pequena dose de álcool dilata os vasos sanguíneos e em excesso dilata muito os vasos sanguíneos enquanto vai lixando o fígado. As sementes de abóbora, tomilho e orégãos, têm propriedades antifúngicas. Etc.

17. O que é mau pode tornar-se benéfico nas condições certas
Exemplos : As leguminosas como o feijão são conhecidas por provocarem gases, demolhando-as com uma alga este efeito é anulado. Uma azeitona, depois de lhe mudarem as águas durante muito tempo, torna-se comestível. Uma folha de louro, sem o veio do meio deixa de ter efeitos cancerígenos. Algo muito bem mastigado pode tornar-se de fácil digestão. Um copo de vinho em alguém com boa saúde física, pode ajudá-lo a soltar-se e divertir-se.

18. O que é bom pode tornar-se prejudicial nas condições erradas
Exemplos : A linhaça tão rica em Omega 3, proteínas e gorduras nutricionais, se for pré-moída, irá oxidar pelo que criará a tendência para flatulência, enxaqueca e diarreia. O sal tão essencial à saúde humana, torna-se prejudicial se for refinado e consumido em excesso. Se bebermos água em excesso, desgastamos os órgãos que gerem as águas e poderemos sofrer intoxicação por água.

19. Condição não é constituição
Exemplos : ter olhos azuis é constituição e ter gases é condição. Ter um nariz comprido é constituição e ter diabetes é uma condição. Ter barriga é condição e ter pele escura é constituição. Ter raiva é condição e ter um fígado é constituição.

20. Não existe “A Dieta” correcta, existem várias, adequadas à condição actual
Exemplos : Entramos num restaurante e dispomos de várias opções de “menus completos” e não questionamos se são completos, mas antes qual será o mais adequado, a mim neste momento. No entanto, com a alimentação, criamos o equívoco constante, de tentar encontrar “A Correcta”, concluindo que as restantes têm de ser erradas. Felizmente, existem vários menus completos, razão pela qual o homem conseguiu sobreviver e prosperar no globo inteiro.

21. Existem fontes variadas para o mesmo composto
O homem encontra as substâncias que precisa em várias fontes, razão pela qual conseguiu sobreviver e prosperar em todos os cantos do planeta. Não existe nenhum alimento indispensável à sobrevivência do ser humano no planeta. Existem alimentos indispensáveis, considerando os recursos disponíveis ao ser humano, numa parte do planeta. Exemplos : Se os árabes encontram vitamina C nas laranjas, já os esquimós encontram-na no marisco. Se os pescadores encontram ómega-3 a comer peixe, já outros encontram-na a comer sementes de linhaça. Se uns encontram vitamina D ingerindo mais manteiga, óleo de fígado, cogumelos, etc. já outros encontram outras alternativas por viverem em locais mais expostos ao sol.

22. Para curar, a alimentação deve ser mais regrada e as recomendações tornam-se regras
Exemplos : Quando o corpo está debilitado, a alimentação deverá ser mais regrada. Exemplos : Se estamos com febre, não tocamos em álcool. Com cólicas, pomos de parte os fritos. Com alergias ou asma, cortamos a 100% nos lacticínios. Se temos insónias, deixamos o café, estimulantes e não comemos nada até pelo menos três horas antes de deitar. Se o fígado está debilitado cortamos no café, laranjas e qualquer alimento que o afecte. Se estamos com o sistema imunológico frágil, a adaptar-se a um novo ambiente, ou vamos realizar um exame de memória, cortamos em todo o tipo de açúcares.

23. Para manter a saúde, a alimentação deve ser flexível e as recomendações ajudam-nos
A vida é dinâmica e requer um equilíbrio dinâmico da nossa parte. É uma chatice, bem sei, pois exige bom senso, flexibilidade e muita adaptabilidade. Também requer que ganhemos entendimento sobre os assuntos, em vez de respostas de algibeira. O entendimento aliado à sensibilidade, é o que nos permitirá entender, quando as regras são desadequadas, fazendo-nos agir com a resposta mais adequada, que poderá ser simplesmente, a excepção à regra.

Espírito non-credo * Adaptabilidade * Entendimento * Sensibilidade * Bom Senso
São os princípios orientadores que servem de base a todos os outros.

2017-01-12T16:56:23+00:00

Um comentário

  1. purple 27 Agosto, 2014 em 12:19- Responder

    Excelente artigo, Vasquinho !

    Sorvi cada linha (regradamente, claro!!), e faz todo o sentido !

    Abraço
    **rita

Comente com gosto

/* Omit closing PHP tag to avoid "Headers already sent" issues. */