A chegada da nova estação, transporta mais do que novas roupas e hábitos a seguir. Também a alimentação no outono, os cozinhados e os nutrientes são reajustados. Com a mudança da época, regressam alimentos, nutrientes, propriedades e características sazonais, que nos ajudam a harmonizar ao novo panorama. As alterações na natureza têm o condão de desencadear alterações em tudo, incluindo os seres que desta emergem, para sempre interligados aos padrões cíclicos desta. O movimento contrativo e introspetivo característicos a esta época outonal, provoca nos seres humanos, mudanças fisiológicas e psicológicas. Outubro é sinónimo de abundância. Um período para nutrir e proteger a vitalidade para o se que segue.

A alimentação no outono

No outono, é propícia uma alimentação em que ingerimos raízes, citrinos, couves e frutos secos. Com o devido cuidado de não abusar, poderemos cozinhar em temperaturas mais elevadas, com assados no forno, na lareira ou alimentos que foram secos ao sol durante o ano. Para providenciar calor interno e alguma alegria, nos dias cada vez mais curtos, será conveniente, consumir um pouco mais de óleo ou oleaginosas. Tais como sementes de girassol e de abóbora, com gosto e moderação.

Se consumir óleo não é uma opção, deverá cozinhar um pouco mais na pressão e ingerir mais sementes.

Os que preferem uma dieta à base de alimentos crus, aconselha-se a ingestão de mais raízes, uma mastigação mais demorada e longas caminhadas na floresta. Para que há semelhança das espécies crudívoras, consigam gerar com harmonia, o “calor” interno da vitalidade.

Os alimentos de outono

Mensalmente, há uma média de cinco produtos a iniciar a época, mas em outubro ocorre uma alteração surpreendente com a chegada de 24 novos produtos. Nenhum outro mês verifica uma subida tão vertiginosa, verificando-se um aumento cinco vezes superior à média. Regressa uma grande variedade de couves, ramas e dos nossos bem-amados… brócolos.

Imagem dos vegetais e frutas que iniciam a época mensalmente

Os nutrientes do outono

A alimentação e os nutrientes devem ser ajustados a cada época e a melhor orientação é providenciada há milhões de anos, pela Natureza. Nos meses em que decorreu a investigação e desenvolvimento da Infografia dos Vegetais, surgiram algumas surpresas.

Padrões de cores nos frutos e vegetais da época. Alimentos que adquirem o formato da fase energética associada pelas 5 Fases. O aparecimento espontâneo do símbolo do Yin Yang, na 64.ª tentativa de elaborar um protótipo viável. Entre outras constatações que abordaremos com maior detalhe em futuras publicações.

ao ingerir os alimentos de cada época, iremos também consumir os nutrientes mais adequados a cada estação

Também os nutrientes surgem por épocas, foi outra das revelações ao investigar os dados para a Infografia dos Vegetais. Com a predominância de variedades nutricionais a acompanhar a sazonalidade dos alimentos, existem indícios de que ao ingerir os alimentos de cada época, iremos também consumir os nutrientes mais adequados a cada estação. Os melhores suplementos parecem surgir de forma espontânea, natural e sazonal.

Ordenando os nutrientes mais fortes por alimento, nos meses de setembro e outubro, contam-se treze vegetais e frutas, ricos em vitamina B₉ ou folato (ácido fólico na forma sintética). Um nutriente sobejamente reconhecido pelo papel fulcral nas gestantes, grávidas, tratar problemas de pele e de queda de cabelo. Desequilíbrios que tendem a agravar, com a vinda do outono e da fase “metal”.

Logo em segundo, temos a vitamina C, estando esta bem presente em onze vegetais e frutas. Uma vitamina essencial, que apesar de não evitar as gripes e constipações, cumpre um papel fundamental no combate a estas.

Entre os minerais, temos um maior aporte de cálcio. Entre os seus benefícios, podemos salientar o seu papel na construção dos ossos e dentes, regulação do sistema nervoso, contração muscular, pH do sangue e coagulação sanguínea.

Os principais nutrientes sazonais nos meses de outubro e setembro

A vitamina B₉, a gravidez e o mês dos nascimentos

Sendo uma vitamina recomendada para engravidar e para grávidas, é possível que fosse um dos motivos para o maior número de nascimentos em Portugal, ocorrer sempre em maio. Nove meses antes com a ingestão de mais folatos e a chegada da abundância, criavam-se condições propícias a engravidar. Com a mudança de hábitos a partir da década de 80 e a ingestão gradual de produtos fora de época há um desvio. Na atualidade, o período entre o Natal e o Ano Novo, passou a ser a época fértil, para que o maior número de nascimentos ocorra agora, em setembro.

O estilo de vida no outono

Apesar da abundância gerada no outono, este não é um período de excessos e desvairos. Sendo aconselhado refrear os desejos que possam trazer maiores desequilíbrios. É um período para levantar e deitar cedo. Desintoxicar o corpo, limpar a casa e organizar a documentação. Devemos ter especial cuidado com a pele e os olhos, pois o sol de outono não é o sol de verão. Apesar da variação mínima no espectro de radiação, esta tem um impacto forte devido à variação da propagação da luz. Considerando a invulgar luminosidade dos raios nesta época, tenha especial atenção quando o sol se encontra próximo do horizonte. Proteja a vista e abrande na condução. Também a pele deve ser protegida e mesmo que faça calor, não queira ganhar nesta época, um bronze de “verão”. O Equinócio do outono assinala um período de mudança em que o ritmo é outro.

As recomendações alimentares, nutricionais ou de estilo de vida, não se baseiam apenas na temperatura ou condições climatéricas presentes num dia. Um dia de céu limpo com uma temperatura de 30 °C, possui características e qualidades, que o diferenciam em cada um dos 24 Períodos Solares ao longo do ano. Por exemplo, se alguém reduzir a complexidade de um ser humano à expressão que apresenta na face e à temperatura corporal conseguimos compreender que é uma abordagem medíocre. De igual modo, considerar que as variações e complexidades de cada época, possam resumir-se somente as condições climatéricas e à temperatura do ar, é demasiado simplista. Tenha em consideração que tal como os ciclos circadianos tem um enorme impacto ao longo de 24 horas, o mesmo sucede-se ao longo de um ano.

O nosso calendário é demasiado exato para captar com precisão a natureza, por isso devemos observar e lembrar a sazonalidade.