(Dia 11 * Montanha do Cavalo Branco 白马山, CHINA 中国 * 12-11-2013)
Na mais simples gota de orvalho condensam-se ecos do universo. Reflexos que viajam biliões de quilómetros, por tempos imemoriais, convergindo num ponto e momento singular. Por mais cinzento ou enevoado, que possa parecer o nascer do sol, o mistério espreita de toda a parte. Se à vista tudo parece vulgar, comum, normal, ordinário, é pela profundidade do olhar que revela-se o extraordinário, a magia, o milagre.
Revelação, entendimento, descoberta pertencem ao passado. Revelar, entender, descobrir são verbos vivos de um presente que actua sem fim.
Se crês que sabes, que vês, que entendes… olha melhor, saboreia melhor, desprende-te do teu entendimento e continuamente serás surpreendido.

By | Novembro 5th, 2014|

Comente com gosto