Já fiz o cartão de visita e partilho a experiência deste e todos os projectos.

Vão surgindo muitos projectos e desafios. Dessas muitas projecções escolho bem as poucas a manifestar em acções.
Fazendo, faço com brio, coloco-me por inteiro. Tanto faz se são cartões, um arroz, um retiro, um livro, um café. Cada um é singular, único.
Em tudo o que me dou coloco-me por inteiro e nessa entrega sou verdadeiro.
Faço ou não faço, em ambos coloco-me por completo.
Falta-me a experiência, não a atenção.
Falta-me a habilidade, não o brio.
Contemplo uma paisagem em múltiplas direções, as minhas pernas movem-se num só caminho.
Nem sempre sei o destino e sempre encontro em mim a origem.
Se me movo tenho um sentido, se permaneço em sentido fico.
Em ti me encontro e em mim te vejo.
Continuo a viver acolá e a viajar aqui, pois as terras deixaram de ser estrangeiras e lá fora vou-me conhecendo cá dentro e cá dentro reconheço-me lá fora.
Inspira-te ou sê inspirado, naturalmente expira ou permanece.
Uma ação inspirada vale por mil ações sem brio.
Mantém o brio, sê inteiro e no olhar manifestarás o brilho.