2013  1000 horas ▒ 

Em 2009 vivi por meio ano no Templo Daoista dos 5 imortais. Neste aprendi com os daoistas, meios de transformação interior, por práticas que levam a uma alquimia interior. O mestre e todos os residentes tornaram-se família. Desde então ficou-me presente que um dia haveria de voltar.

Nos primeiros anos nunca me senti preparado a regressar. O que tinha aprendido na experiência anterior tinha sido tão intenso, que durante os primeiros anos apenas desejei conseguir integrar tudo o que tinha aprendido nessa primeira experiência. O meio ano que vivi no templo foi também bastante austero em diversos sentidos. Das dores musculares no corpo, do frio e humidade intensa, do isolamento ao reformular radical de novas perspectivas e pensamentos, a visão romântica deparou-se com cruas realidades.

Ao sair do templo, viajei para Pequim. Paguei com o que me restava um albergue para 10 dias e fiquei com cerca de 20 euros para me amanhar numa cidade desconhecida. No regresso a Portugal, encontrava-me completamente liso e sem ponderar, ou pausa, mergulhei de cabeça em tudo o que apareceu. Foi um parto difícil e em mim senti como uma violência. Prometi a mim mesmo que numa próxima regressaria ao templo após reunir algumas diferentes condições económicas, mentais e emocionais. A ideia romântica e ingénua com que fui em 2009, deu lugar à experiência e foi movido por esta que avancei, neste regresso em 2013. A diferença foi abismalmente… melhor ! Mais agradável, integrada, fluída. Na primeira viagem, em 2009, aprendi imenso em termos de conhecimentos e experiências totalmente novas que me abalaram e reformularam. No regresso, em 2013, aprendi pouco em termos de conhecimentos, mas esse pouco teve um impacto profundo. Tive também validação sobre o que desenvolvi em pensamento e práticas, no decorrer dos anos anteriores. Aquilo que expressava e entendia estava em consonância com os mestres que encontrei.

Lancei um projecto de crowdfunding para ter auxílio na realização do sonho.

PROGRAMA

  1. Alquimia do Nascer-do-Sol (Sun Gazing)
  2. Meditação em Pé (Zhan Zhuang)
  3. Respiração
  4. Longevidade (Taiji Qigong)
  5. Alquimia Interna
  6. Técnicas básicas de Artes Marciais
  7. Condicionamento da força e resistência
  8. Formas (Sequências de movimentos)
  9. Métodos de Caminhar
  10. Métodos de Emissão de Poder (Fa Li)
  11. Camisa-de-força Qigong (Da Gong)
  12. Tuishou/Push hands (mãos coladas) e sparring
  13. Estudo da teoria Daoista envolvida nas formas e técnicas
  14. Cerimónia
  15. Artes Curativas
  16. 5 Tons de Musica Curativa (instrumentos, energia/vibração, canção e teoria)
  17. Medicina Tradicional Chinesa (meridianos, pontos de acupunctura, fórmulas com plantas/fitoterapia, massagem)
  18. Colher plantas silvestres comestíveis e medicinais
  19. Qigong Curativo
  20. Música Daoista e Preceitos
  21. Colher e preparar chá local
  22. Estudo de Escrituras Daoistas (Dao De Jing, I Jing, Zao Wan Ke, Hua Hu Jing, etc.)
  23. I-Ching
  24. Ensino da língua chinesa (mandarim)
  25. História Chinesa e Daoista
  26. Jardinagem e agricultura

E com a ajuda de mais de 100 apoiantes parti com melhores condições do as precárias de quatro anos antes.

Como experiência a uma ideia que alimentava e também como forma de retribuir aos apoiantes, resolvi desta vez em informar regularmente como corria toda a viagem através de cronicas regulares. Muitas vezes a vontade, as condições , os recursos para escrever foram extenuantemente difíceis. Movido pelo compromisso, fui fazendo-o. Fazia por levar avante mesmo na ausência das condições desejadas. Com o tempo revelou-se como o mais ajustado, tendo-me ajudado a entender melhor a resposta a questão da integração que levei. Ainda que anti-lógico ao primeiro olhar, e lógico a um olhar mais profundo, pude comprovar pela experiência a validade da ideia.

Dentro e fora começaram a unificar-se. Viver e viajar passaram a apresentar-se como interligados e comecei a compreender de forma clara a diferença entre integrar e misturar, diferenciar e separar, saber e conhecer. A viagem decorreu como um fluxo e o romantismo, o ordinário e a imaginação dissolveram-se para dar lugar a um cru extraordinário. O caminho vai tomando forma e vou seguindo caminho por este. Não há fim no caminho, o caminho é o fim. Vou caminhando e partilhando-o com quem tenho a oportunidade de me encontrar.

BALANÇO FINAL → 1000 h  3000€  12 h por dia  durante 3 meses