Ao longo dos anos tenho vindo a dar aulas de meditação, aconselhamento, Qigong, Taiji entre outras práticas relacionadas. Quando refiro que “As práticas desta arte oferecem aos que vivem no ritmo veloz do mundo uma referência de tranquilidade, força, flexibilidade e equilíbrio.” apercebo-me de um equívoco comum relativamente ao que é o equílibrio, ao estar alinhado. A este estar em fluxo ou em modo zen.
Criei esta imagem para ilustrar e clarificar a visão oriental sobre alinhamento, seguir o curso natural, harmonizar, sintonizar ou estar em equilíbrio.
A noção de equílibrio comum assemelha-se a um morto deitado num caixão, um mar sem ondas. Pois vos digo meus amigos, que em vida, o equilíbrio não funciona assim, A vida é toda ela dinâmica, incerteza e inconstância e como tal o equílibrio quer-se dinâmico. A única certeza é a morte e como tal só aqui o equílibrio é estático. Em vida, há que surfar, andar na corda bamba, entrar no ritmo e conciliar.
Como bússola utilizamos o yin yang que harmoniza os pólos para transformar o conflito em conciliação, o ruído em música e criar a harmónica na vida.
Sintoniza-te !